Explicação da imagemfeito o seu confesseur e seu Pai espiritual feito o seu confesseur e seu Pai espiritualrecebida por Micheline Boisvert

“Ninguém jamais viu a Deus; o Filho único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou” (Jo 1,18). Pode-se representar um Deus que nunca se viu?

Na cena da Criação de Adão, Miguel Ângelo não hesitou em dar um “corpo” ao Criador, que, no entanto, é Puro Espírito. Num momento de grande inspiração, representou-o apontando o indicador para o primeiro homem, feito de barro, no ato de lhe comunicar o sopro da Vida...

No livro de Daniel, o Eterno aparece para o profeta sob o aspecto de um ancião de cabelos brancos: “Eu continuava a olhar; tronos foram colocados e um ancião se sentou; suas vestes eram brancas como a neve e sua cabeleira era como a lã imaculada; seu trono era feito de labaredas com rodas de fogo ardente. Um rio de fogo, que jorrava à sua frente, corria. Centenas de milhares o serviam, dezenas de milhares de miríades o assistiam. (Dn 7,9-10)

Deve-se observar que as teofanias do Antigo Testamento trazem o fogo como um cenário natural, símbolo do Amor divino. Numa das vezes em que foi possuída, Micheline Boisvert recebeu também uma visão, na qual lhe foi mostrado o Pai oferecendo à terra o coração de seu bem-amado Filho. A partir de indicações precisas da vidente, o artista, pintor e retratista Richard Goudreau pôde realizar essa representação, conhecida, daí em diante, pelo nome de “a imagem do Coração Acolhedor de Jesus, dádiva do Pai todo-poderoso.

Em nossa humilde opinião, essa imagem tem valor de ícone. Aquele que souber ler com os olhos do coração descobrirá uma mensagem importante “escondida para os sábios e os inteligentes, mas facilmente revelada para os pequeninos do Reino” (Mt 11,25). Três elementos principais compõem essa imagem: o Pai, o Coração e a Terra.

O Pai: Levemente inclinado para a frente, como que suspenso no Céu, com sua poderosa Luz, o Pai, cujas mãos estão estendidas, solta um grande e radioso Coração vermelho em direção à Terra que está recoberta de trevas espessas. Das palmas de suas mãos saem raios intensos: essa representação nos remete às palavras do profeta Habacuc: “Seu brilho é parecido com o da luz; dois raios brotam de suas mãos, onde se vela todo o seu poder”. (Ha 3, 4)

O Coração: Uma coroa reluzente de espinhos, toda em ouro, contorna o grande Coração e dos espinhos brotam intensos raios de luz que vêm inundar a Terra inerte. Esses sinais nos falam , sem dúvida, sobre o Amor excessivo do Salvador e sobre os martírios inomináveis infligidos ao seu adorável Chefe durante sua Paixão; e eis que, somos, também, participantes da Vitória do Grande Padre que entrou no Santo dos santos para receber do Pai a sua recompensa: “Tu coroastes o Cristo de glória e de honra” (Cf. He 2,7-9; Sal 8,5-7). Nessas mensagens, a coroa de espinhos é vista como uma proteção para as pessoas e as regiões que estão a ponto de passar pela provação da grande purificação, anunciada pelos profetas de nosso tempo.

A Terra: Ela não pode ter a luz pois está sujeita à “vaidade”, segundo a palavra de São Paulo (Cf. Rom 8,20). Assim, é com grande alegria que acolhemos as grandes manifestações do Coração de Cristo, Rei do universo: “Ele nos arrancou do poder das trevas e nos introduziu no reino de seu Filho muito amado, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados” (Col 1,13).

No que consiste o Coração Acolhedor de Jesus? Nesses tempos de grandes tribulações, o Pai muito amado faz descer sobre a humanidade o Coração de seu bem-amado Filho, que vem derramar, em nós e para nós, os poderes das graças e da luz que ele reserva para seus filhos na Terra, ultimamente. Muitos dentre eles se desgarraram e não possuem mais o desejo de receber, em seus corações, o Amor total do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Nessas mensagens recebidas, o Coração Acolhedor está presente como uma “tábua de salvação”, para tentar resgatar todos os seus filhos que, lamentavelmente, o inimigo lança nos abismos do sofrimento, da angústia e do desespero, com o intuito de que se percam para sempre. Qual pai ficaria indiferente a tal infortúnio! “Deus tanto amou o mundo de tal maneira que nos deu seu Filho, o único, para que todo aquele que n’Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Joã, 3, 14)

Portanto, Jesus vem de coração aberto. Somente ele pode acolher o Amor Puro do Pai, que se manifesta particularmente na onipotência da Eucaristia. Não é ele o único Mediador? “Por ele, com ele e nele”(prece eucarística).

O Coração de Jesus quer acolher as nossas oferendas e as de todos aqueles com os quais nos importamos. “Vinde a mim vós que estais cansados de carregar os seus pesados fardos, e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração, e achareis o repouso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso é leve” (Mt, 11,28).

Sabemos que Jesus dá importância tão grande ao acolhimento que faz deste uma condição de identificação consigo. “Quem vos recebe, a Mim recebe. E quem Me recebe, recebe Aquele que Me enviou” (Mt, 10,40). O Coração de Cristo é oferecido na Cruz para nos salvar, e nele está o Amor do Pai por nós “no que reside toda a sua plenitude”. (Col 2,9). O Rei está no Coração de Jesus e constitui o ponto comum de todos os corações.

Muitas das pessoas que receberam o Coração Acolhedor nos falam sobre a alegria de rezar, de maneira totalmente nova, usando a palavra “acolhedor”. Desta forma, distanciam-se de si mesmos para se concentrar em Cristo. “Pai, vem até nós, com o Coração Acolhedor de teu Filho bem-amado, toma todo o nosso ser.” Que seja dada a nossa resposta de amor àquele que disse: “Não existe Amor maior do que dar sua vida àqueles que se ama” (Joã, 15,13).

Père Gratien Lajoie

Padre Gratien Lajoie f.s.c.

 

Association Coeur d'Accueil de Jésus

C.P. 200 Succ. Dépôt Rive-Sud Boisbriand (Québec) Canada J7E 4J2
Tel.: (450) 965-9942 | Fax.: (450) 965-7539